Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

|| DreamAchieve || Sports & Performance

Psicologia do Desporto e Performance || Coaching Desportivo e Empresarial || Formação

|| DreamAchieve || Sports & Performance

Psicologia do Desporto e Performance || Coaching Desportivo e Empresarial || Formação

Falava com um treinador há pouco tempo, que também é professor e que também é pai. Ele fazia-me um discurso muito apaixonado sobre os seus atletas: “Os meus jogadores todos têm que ser líderes, tem que saber comunicar alto e a bom som,   têm que saber assumir a última bola. E mais, todos têm que saber fazer tudo em campo. Não há cá o que lança melhor, o que salta mais... Exijo que todos sejam iguais, pois todos estão a receber o mesmo treino. Os meus alunos a mesma (...)
28 Jan, 2018

FALAR É FÁCIL...

  Há umas semanas atás, estava a meio de uma sessão com uma atleta, e parecia que estávamos a ir bem a delinear um Plano de Ação para ela começar a agir de acordo com os objetivos que me disse que queria atingir. Só que, do nada, diz-me a frase que mais estraga planos, objetivos e sonhos:    "Falar é fácil."   Até me ri e concordei, mas fiquei a pensar naquilo e como as palavras que dizemos, por vezes até com inocência, podem ser tão prejudiciais e podem destruir tudo o (...)
  A DreamAchieve volta às entrevistas em grande, com a participação da atleta internacional portuguesa Laura Ferreira, que atualmente compete numa Universidade nos Estados Unidos.   DA: Laura, conta-nos como foi o teu percurso como atleta.   LF: Comecei a frequentar a piscina aos 3 anos e aos 7 anos comecei a nadar competitivamente. Aos 8 anos a minha mãe inscreveu-me no minibasket com a minha irmã, (...)
Quando um atleta joga pouco tempo e, numa conversa inicial eu digo: “Vamos continuar a trabalhar”, a resposta dada resume-se nisto: “Para quê, se depois não me metem a jogar?”. Normalmente respondo: “Continuas assim, não vais jogar mesmo!”   E quando o atleta até treina mais, e até joga mas não ganha, e eu faço o mesmo discurso, a resposta resume-se nisto: “Para quê, se depois não ganho jogos?” Normalmente respondo: “Continuas assim, não vais ganhar mesmo!”   Que (...)
  Estávamos num treino em que o Zé Leite estava especialmente "aceso", a insistir na intensidade, no ir buscar a bola "ao fim do mundo" se fosse preciso. Eu tinha algo para provar...   Estava numa fase da época em que queria ganhar algum espaço. A época não tinha começado assim há tanto tempo, e estar num novo desafio no Centro de Alto Rendimento, onde todas eram consideradas as melhores nos seus clubes, fez com que eu criasse um novo objetivos de progressão na minha evolução.  (...)
É comum este fenómeno. Um atleta treina bem, com intensidade, com qualidade, destaca-se durante a semana, e quando chega a hora de competir, parece que muda de cor. Nem parece a mesma pessoa...   Tive um atleta que recentemente dizia que até a respiração dele mudava ao ponto de ter que parar, de tão ansioso e nervoso que os momentos decisivos lhe faziam. Quando lhe perguntei o que pensava nesses momentos (o pensamento é sempre o desencadeador do sentimento), disse que tinha medo (...)
  A miúda era horrível!... Tratava mal toda a gente na escola que não a obedecesse ou a desprezasse. Chamava nomes, humilhava publicamente, empurrava e atirava ao chão quem fosse físicamente mais fraco, inventava histórias sobre os colegas para envergonhá-los...    À frente dos professores e dos pais era a boazinha, mal sabiam que ela obrigava algumas das miudas mais estudiosas a fazer os trabalhos de casa dela, e que ela copiava nos testes. Ai de quem a denunciasse... Além (...)