Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

DreamAchieve

Psicologia, Coaching PNL e Desporto

DreamAchieve

Psicologia, Coaching PNL e Desporto

EGOÍSMO OU IMATURIDADE?

image.jpeg

 

São muitas as coisas que definem maturidade, mas uma que particularmente eu admiro, é quando conseguimos colocar-nos no lugar do outro. 

 

Os bebés não conseguem fazer isso, eles vivem e reagem de acordo com as suas necessidades. Choram quando têm fome, sono, quando querem colo, ou por qualquer outra coisa que precisem. 

 

Fazem isto sem qualquer noção de que a mãe, o pai, ou quem está a cuidar deles, tenha também a sua necessidade de dormir e de comer. 

 

Mas eles são bebés e é compeensível. Quando são adultos que não entendem a necessidade dos outros, já passa a imagem de egoísmo, ainda que seja apenas um processo de maturidade interrompido. 

 

Na idade adulta já é suposto termos essa capacidade de empatia. De entendermos que o nosso mundo não é o único mundo importante e que existem outras pessoas além de nós. 

 

Os conflitos aparecem quando, mesmo depois da adolescência, em que somos o centro do mundo (ou não), continuamos a achar que as pessoas têm que parar tudo quando precisamos de alguma coisa, como quando eramos crianças de colo. 

 

Quando isto acontece, e constantemente essa pessoa é chamada de "egoísta", ela começa a achar que ninguém a entende. Começa a dizer e a fazer coisas do género:

 

- Ninguém me compreende

- Ninguém me ajuda

- Ninguém me liga nenhuma

- Quando não obtém um resultado alcançado, insultam as pessoas envolvidas

- Como lideres, sempre colocam as coisas(necessidade) acima das pessoas(empatia)

 

Talvez te identifiques, ou identifiques alguém com quem convives. 

 

Alcançar a maturidade passa por saber estabelecer empatia, entendendo o que se passa com o outro e quais são as suas necessidades.

 

Se assim não for, seremos eternas crianças, que choram sempre que precisam de alguma coisa. 

 

Para fazermos a diferença no mundo, precisamos ser o tipo de pessoa que ajuda (de algumaa forma) todos os que passam na nossa vida, em vez de sempre estarmos à espera que alguém nos ajude.