Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

|| DreamAchieve || Performance Coaching

Psicologia do Desporto e Performance || Coaching Desportivo e Executivo || Formação

|| DreamAchieve || Performance Coaching

Psicologia do Desporto e Performance || Coaching Desportivo e Executivo || Formação

ENTREVISTA: JOÃO "BETINHO" GOMES

Apresentação1.jpg

 

A DreamAchieve teve um momento com o atleta João Gomes, mais conhecido por Betinho. Um atleta que tem muito para nos contar das suas experências pela Seleção Nacional, Campeonatos de duas grandes Ligas Europeias e uma passagem nos Estados Unidos. 

 

DA: Betinho, conta-nos o teu percurso como atleta?

 

BG: Comecei a jogar basquetebol aos 12 anos em S. Vicente, Cabo Verde. Aos 17 anos participei no torneio da CPLP (Comunidade dos Países da Língua Portuguesa) com a Seleção de Cabo Verde, onde fui considerado o MVP e recebi um convite para fazer treinos de avaliação no Barreirense Portugal por duas semanas. Fui escolhido e representei as cores do Barreirense durante 5 anos. No segundo ano, ou seja aos 18, já jogava nos Seniores, na Liga Portuguesa de basquetebol.

 

Aos 22 anos representei Portugal no Eurobasket 2007 em Espanha, Madrid, onde tive uma prestação notável, o que despertou o interesse de equipas da Espanha. Fui contratado pelo Cantabria Lobos, que jogava na segunda divisão espanhola (Leb Oro), onde joguei apenas a primeira volta do campeonato. Depois fui transferido para o Breogan de Lugo, também da Leb Oro, equipa que acabei por representar durante 4 épocas e meia. Durante estas 4 temporadas tive propostas para jogar na principal divisão Espanhola, a ACB, considerada a melhor Liga da Europa, mas que por compromisso com a equipa e também por lesões, não tive a felicidade de concretizar aquilo que era meu principal objectivo, jogar na liga ACB.

 

Passado as 4 épocas, recebi uma proposta do Benfica. A possibilidade de participar em Competições Europeias pesou bastante na minha decisão de voltar a Portugal. E o mais importante, poderia vir a ser campeão Nacional pela primeira vez. As competições europeias nunca aconteceram, mas realizei o meu sonho de ser Campeão Nacional, não só uma vez, mas 3 vezes seguidas!

 

14670899_10154163835768722_249263623909035677_n.jp

 

Estes 3 anos no Benfica acabaram por ser muito positivo para a minha carreira profissional, e o facto de termos ganho tudo o que havia para ganhar (Campeonatos, Taça de Portugal, Taça da Liga, António Pratas) valorizou-me muito como jogador. Foi assim que recebi uma chamada que ansiava há muito tempo, uma oportunidade de militar na principal Liga Espanhola, a ACB. Apesar de estar muito feliz no Benfica não podia deixar passar esta oportunidade.

 

E foi assim que fui parar na liga ACB, numa equipa de Andorra, o Morabanc Andorra, onde estive 2 anos. Depois destes 2 anos, onde vivi o basquetebol ao mais alto nível, onde cada jogo era uma final, e todos os fins-de-semana os pavilhões estavam cheios, tomei a decisão de aventurar-me e conhecer outras Ligas. E hoje aqui estou eu, na liga Italiana (LEGA).

 

15232272_364749027192632_4904223618789417996_n.jpg

 

DA: O nome Betinho, como bem és conhecido, traz com ele o trabalho, a dedicação e a recompensa de ser um dos poucos atletas nacionais que teve sucesso no estrangeiro, primeiro na Liga Espanhola e atualmente na Liga Italiana. Qual foi a mentalidade que te levou a chegar ao esse patamar?

 

BG: A mentalidade acaba por ser isso, dedicação, trabalho, saber que vais sofrer agora, mas acabarás sempre por ser recompensado. Eu comecei a sofrer desde o inicio, aos 17 anos ter que deixar a família e amigos de infância não é nada fácil, mas tinha o sonho de triunfar, de ser o melhor, de ser como o Michael Jordan (foi por causa dele que comecei a jogar basquetebol, queria “voar” como ele).

 

j4.JPG

 

Ao inicio não tinha noção que seria tão difícil. Começaram a aparecer as lesões, os maus momentos, as saudades, as mentes negativas (pessoas que não acreditam em ti e fazem de tudo para que penses o mesmo). Foi nesse momento que tive que me mentalizar que tenho que ser forte, que tenho que acreditar que sou capaz, e que se continuar a trabalhar duro e eliminar os pensamentos negativos, acabarei por triunfar.

 

FullSizeRender (3).jpg

 

Eu perdi muitas noites de festa, muitos dias na praia a apanhar sol, mas valeu a pena. Hoje posso olhar para trás e posso dizer que valeu a pena. Hoje eu tenho 32 anos, mas a minha mentalidade continua a mesma quando tinha 22. Acredito que posso alcançar muito mais e vou continuar a trabalhar para isso.

 

DA: Que aprendizagens trazes contigo do tempo que estiveste nos Estados Unidos?

 

BG: Uff são tantas coisas, mas a principal delas é uma frase usada por eles que gosto muito: “No pain, no gain”. É preciso sofrer para alcançar, no momento em que aceitas isso, tens tudo para triunfar. Não é fácil acordar às 8 da manhã para ir treinar depois de um treino duro de ontem a noite, mas no momento que aceitas que este é o único caminho para o sucesso, já é meio caminho andado.

 

14915323_353918584942343_5490210053578262181_n.jpg

 

DA: Que aprendizagens do basquetebol aplicas na tua vida diária?

 

BG: Trabalho de equipa, é a que mais aplico aqui em casa com a família.

 

42.JPG

 

DA: A DreamAchieve promove a importância de temas de Coaching e Psicologia no Desporto. São abordados temas relacionados ao treino mental, como a motivação, a disciplina, o foco, o compromisso, o trabalho em equipa, e muito mais… Na tua opinião, qual a importância destes assuntos na prática desportiva, e na vida em geral?

 

BG: É sempre importante ter alguém que perceba o que nos passa na cabeça e o que nos vai na alma. Que saibam como devem motivar-te a alcançar os teus objetivos, tanto a nível desportivo como na vida em geral. Eu por exemplo, os meus primeiros anos em Espanha não foram nada fáceis a nível desportivo, tive bons treinadores, mas que infelizmente de psicologia desportiva não tinham nada. Então quando tinha maus momentos nos jogos ou nos treinos não sabiam como dar a volta a esta situação. Então teria que ser eu sozinho, ou com a ajuda da família, a conseguir ultrapassar esses maus momentos, o que acabava por levar mais tempo. É claro que hoje em dia com a minha experiência ao longo dos anos já levo melhor, mas na minha opinião as equipas deviam ter um treinador formado em temas de Coaching e Psicologia, ou então facilitar o acesso a um profissional da área. E isso claro reflete-se na vida em geral.

 

IMG_0415.JPG

 

 

DA: Se pudesses dar um conselho a todos os atletas que te admiram, o que seria?

 

BG: Acreditem que são capazes. Nada nesta vida é fácil, lutem por aquilo que acreditam e sejam sempre positivos por mais difícil que seja o obstáculo. Desistir nunca pode ser a opção. Eu acredito em vocês!

 

 

Em apenas uma frase diz-nos:

 

Momento mais alto da tua carreira: NBA Tryouts.

 

Pessoas mais importantes no teu percurso: Família

 

Lugar preferido no mundo: Cabo Verde

 

O que queres fazer quando terminares a tua carreira desportiva: Não é algo que pense muito agora.

 

Frase que te caracterize: Dedicação

 

IMG_0416.JPG

 

Para acompanhares o percurso do Betinho podes segui-lo no Facebook, Instagram e Twitter.  

 

 

 

 

Segue-nos no Facebook da DreamAchieve 

fb.png