Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

|| DreamAchieve || Performance Coaching

Psicologia do Desporto e Performance || Coaching Desportivo e Executivo || Formação

|| DreamAchieve || Performance Coaching

Psicologia do Desporto e Performance || Coaching Desportivo e Executivo || Formação

HÁ MAIS EM TI?

IMG_0487.JPG

 

Há uns dias atrás, estava no fim da minha corrida, faltava menos de um kilómetro para fazer a distância pretendida, e já estava a arrastar os pés. Pensei para mim "Ainda bem que está a acabar, não aguentava mais."

 

Temos essa tendência né? Quando vemos a meta a chegar, temos uma espécie de reação. Seja abrandar, ou relaxar... Quando vemos a vitória, a luz ao fundo do túnel, ou começamos a ter algum tipo de resultado, abrandamos. Mas sempre convencidos de que estamos a dar o máximo.

 

O GPS do meu telefone avisou-me que faltavam apenas 750 metros para o destino. Era de noite, umas 21:30, num bairro pouco movimentado. Entrei num beco de vivendas que, não sabia, era sem saída. Quando me dei conta disso, dei meia volta, sempre em passo de corrida morta, e comecei a fazer o percurso contrário.

 

Eu estava a ouvir música, mas baixinho. Por isso dei-me conta de que havia cães a ladrar em todas as vivendas do beco escuro onde me tinha metido. Como não tinha muita muita visão, por estar escuro, nem muita audição, por estar a ouvir música, durante uns segundos tive a sensação de ter cães raivosos a correr atrás de mim.

 

Acontece que quando relaxamos, algo que temos como garantido começa a sair do nosso controlo. Acredito que isso aconteça para que acordemos e continuemos a dar o nosso melhor.

 

Naqueles segundos meio confusos, comecei a correr bem mais rápido, e a tirar energia de onde nem sabia que tinha, para fugir dos cães imaginários. Estavam todos trancados dentro das casas, eu não corria perigo nenhum. Senti-me um bocado parva e desejei que ninguém me estivesse a ver... Mas para quem estava a dizer que não aguentava mais, eu parecia uma maratonista.

 

Uns metros à frente ri-me sozinha... E desafiei-me a mim mesma a correr mais rápido e uma distância maior no dia seguinte.

 

Existem fases em que achamos que já demos tudo de nós, que já não há mais nada a fazer. Então abrandamos ou até paramos.

 

Por isso acontecem certas coisas, que nem sempre entendemos, para testar os nossos limites. Há sempre mais dentro de nós. Há sempre mais energia, mais força, mais ideias, mais paciência, mais do que quer que seja que precises neste momento.

 

Se não acreditas nisso, imagina um cão enorme a correr atrás de ti! A mim ajudou-me ;)