Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

|| DreamAchieve || Performance Coaching

Psicologia do Desporto e Performance || Coaching Desportivo e Executivo || Formação

|| DreamAchieve || Performance Coaching

Psicologia do Desporto e Performance || Coaching Desportivo e Executivo || Formação

NEXT STEP!

IMG_2609.PNG

 

Ao começar a época no meu primeiro ano no CAB, estava ainda sem perceber o que me estava a acontecer. Estava a ter uma oportunidade espetacular. A jogar com grandes jogadoras a nível nacional, num grande clube, com um grande treinador.

 

O primeiro jogo do campeonato estava a chegar, e mesmo sem perder o sono (era impossível com a quantidade de treinos não ter vontade de dormir à noite), pensava como iria ser a minha prestação.

 

Já tínhamos tido a Super Taça (e vencemos), mas estava ansiosa para começar a época oficial, para ver se realmente conseguia dar conta do recado, ou se tinha sido um erro de casting.

 

O primeiro jogo foi conta o CPN, a Nascimento estava magoada, então entrei no 5 inicial, o que me deu imensa confiança. Não estava à espera, mas também não tive medo, fiquei ainda mais ativa e queria mostrar que pertencia àquela equipa.

 

Não me lembro do jogo, de nenhum momento em especial. Sei que no final, depois dos estiramentos, quase a chegar à porta do balneário, o Ricardo Vasconcelos aproximou-se e perguntou-me: "Sabes quantos pontos marcaste?"

 

Eu comecei a fazer contas de cabeça, a ver se me lembrava dos cestos que tinha metido... enquanto fazia a pesquisa mental ele, sério, interrompeu-me: "Marcaste 18 pontos!" Não tive tempo nem de sorrir, ele disparou: "Sabes o que isso quer dizer?"

 

Outra vez a refletir, pensei em dizer-lhe que queria dizer que eu era muita boa, mas sabia que isso não era do feitio do Ricardo. Sabia que ele queria dizer-me outra coisa. Sabia que ele procurava sempre algo que ninguém via, algo que se pudesse melhorar, sempre! Não encontrei resposta.

 

"Quer dizer que pontos sabes marcar, então agora é hora de te focares também noutras coisas. Na defesa que não está boa, no bloqueio defensivo que quase não existe, no ressalto que às vezes não vais... Continuar a trabalhar o tiro e melhorar, mas começar a pensar noutras coisas. Noutros objetivos. Ok?"

 

Deu-me uma palmada nas costas, daquelas pesadas que ele dá, e foi à vida dele.

 

Perguntaram uma vez a 3 atletas de salto com vara, o que eles pensavam mesmo antes do salto. Um deles era principiante, o outro experiente, e o outro do mais alto nível Olimpico.

 

O principiante disse - Penso na corrida, no posicionamento das mãos na vara, no momento em que ponho a cara no chão, no impulso, e em não tocar na vara que mede a altura.

 

O experiente disse - Penso no momento de colocar a vara no chão, e em não tocar na vara que mede a altura.

 

O olímpico disse - Penso em saltar mais alto.

 

Quando há certas coisas que já sabemos fazer, e se torna já quase automático, não é muito inteligente continuar a pensar somente nisso. Se queremos evoluir devemos introduzir novas coisas, novos desafios. O atleta olímpico já sabia fazer tudo o resto tão bem, que já saía de forma inconsciente. Então começou a focar-se noutras coisas, porque as primeiras já eram intuitivas.

 

Também cabe aos treinadores desafiar os atletas a isso, a encontrarem coisas novas para trabalhar, em vez de se focarem numa coisa apenas que eles saibam fazer.

 

No meu caso, sempre tive mais ou menos bem no ataque, e isso saltava à vista de muita gente. Mas tinham que haver mais treinadores como o que eu tive, que aplaudiu o meu ponto forte, mas focou o trabalho no ponto fraco.

 

Assim sendo, cada vez que aprendia algo novo, ao ponto de torná-lo intuitivo, focava-me noutra coisa. E noutra e noutra, sem dar-me conta daquilo que já era intuitivo.

 

O maior foco é aquele em que não estamos a pensar nele. O maior ponto de atenção e concentração é aquele que não requer atenção.

 

Mas o detalhe disto é que temos que ser pacientes para ultrapassar a fase em que temos que dar toda a atenção e foco à nova aprendizagem. Existe um momento em que parece que estamos piores, porque é tudo muito pensado e trabalhoso! Mas depois disso, sem nos darmos conta, chegamos lá. E aí é hora de passar ao Next Step!

 

Persiste, insiste, tem paciência para evoluir, confia no processo, diverte-te com os desafios, aproveita o caminho. Daqui a nada, quando olhares para trás, vais ver o caminho que percorreste.