Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

DreamAchieve

Psicologia, Coaching PNL e Desporto

DreamAchieve

Psicologia, Coaching PNL e Desporto

O QUE FAÇO PARA JOGAR?

image.jpeg

 

Depois do treino, às vezes o meu treinador, Carlos Barroca, levava-me a casa... Acabávamos às 21:00 e se voltasse de transportes demorava uma hora e meia para voltar a casa.. Quando ninguém me podia levar, ele sempre se oferecia.

 

O Barroca foi uma das pessoas determinantes para o meu percurso ter sucesso. Acreditou em mim. Foi buscar-me ao CAR (Centro de Alto Rendimento) para dar-me uma oportunidade na Liga, quando eu ainda só tinha 17 anos.

 

Comecei bem, mas a minha imaturidade na defesa e no jogo tático revelou-se. Comecei pouco a pouco a jogar cada vez menos...

 

Nesse dia ganhei coragem para perguntar ao Barroca o que tinha acontecido, eu queria saber o que podia fazer!

 

"Eu queria fazer-lhe uma pergunta... Eu desiludi-o de alguma forma como jogadora?.. É que quase não tenho jogado, e sei que apostou em mim... O que posso fazer?"

 

Ele respondeu antes de eu terminar:

 

"Claro que não!... Tu estás a trabalhar bem. E deves continuar para poder contribuir sempre que for necessário. Mas neste momento a equipa está a funcionar com as jogadoras que têm jogado."

 

Durante muito tempo não entendi, como é que mesmo dando o meu melhor, eu não jogava. Mal sabe o Barroca o que me ensinou naquele dia...

 

O que é melhor para a Equipa, não é necessariamente o que é melhor para ti.

 

Se és capaz de abrir mão de tempo de jogo em campo, por outro que possa contribuir mais no momento, fazes parte de uma equipa!

 

Se és capaz de passar a bola, em vez de lançar, por saberes que outro está melhor posicionado, fazes parte da equipa!

 

Se és capaz de apoiar o que falhou, mesmo sabendo que no lugar dele terias acertado, fazes parte da equipa!

 

És capaz de abrir mão de ti pela equipa? Se és, fazes parte!

 

Se não, podes até destacar-te, mas estarás destinado a jogar sozinho. Dentro e fora de campo!

 

(Foto tirada ao Barroca pela minha mãe, depois de sermos campeãs nacionais de juniores nesse ano. Molhar o treinador era sempre um dos momentos mais aguardados!)